Wednesday, August 26, 2020

Temos de aprender duas coisas



O meu caderno de trabalho tem frases inspiradoras intercaladas com listas e apontamentos de reuniões. Esta semana, deixei-me interpelar por esta frase do grande Agostinho da Silva: 

"Temos, sobretudo, de aprender duas coisas: aprender o extraordinário que é o mundo e aprender a ser bastante largo por dentro, para o mundo todo poder entrar".

Os 4 estágios de ler um bom livro




 

Tuesday, August 25, 2020

O meu Kobo

 Pois é... demorou mas finalmente aderi aos ebooks. Nada substitui o toque de um livro, foi o que sempre disse, mas à medida que os anos vão passando os meus olhos vão enfranquecendo, as minhas costas queixam-se dos volumes pesados e o espaço falta na minha mini-casa. Assim, decidi oferecer-me a mim própria um Kobo Clara HD e estou rendida. É super portátil e posso colocar no tamanho de letra mais confortável aos meus olhos. Pensei que iria precisar de um tempo de adaptação, mas na realidade correu muito bem e as minhas leituras têm sido muito satisfatórias. Vou assim repartindo as minhas leituras: quando tenho boa luz natural, livros físicos, banda-desenhada no iPad e os restantes no Kobo! 



Júlio Roberto

 Há escritores portugueses fabulosos, infelizmente desconhecidos no nosso país. Júlio Roberto é um deles. Ao organizar as minhas estantes, percebi que os meus livros do Júlio Roberto precisam de recuperação. Aplicar cola, limpar com um pincel, e percebi que queria ter mais livros deste autor que tanto aprecio. Pesquisei e ...nada! Não existem novas edições e constatar isso deixou-me profundamente triste. Assistimos ao lançamento de livros cheios de "frases feitas", frases ocas e mal construídas em vez de relançamentos de escritores de qualidade, com uma escrita simples mas profunda, que toca e interroga. 


in"Cartas"

A minha pequena coleção.




Tuesday, June 23, 2020

Contos de Fadas para Millennials


Bruno Vincent adaptou 12 histórias tradicionais aos tempos modernos. Neste livro encontramos 12 contos politicamente corretos, adequados a uma divertida leitura pelo nossos Millennials. Depois de ler as 12 histórias fiquei com uma sensação estranha. Em algumas histórias ri às gargalhadas, mas outras deixaram-me triste e apreensiva. 

Eu explico, eu adoro contos de fadas. Não estou a falar das adaptações modernas que despem de tal forma as histórias de elementos que consideram desadequados que acabam por retirar a personalidade da história. Estou a falar dos tradicionais contos de fadas, que segundo Tolkien, têm de ter um final feliz. "Tolkien acentua que todos os contos de fadas completos têm de o ter. É uma  repentina reviravolta jubilosa... Por mais fantástica ou terrível que a aventura seja, ela pode dar à criança ou ao homem que a ouve, quando se dá a reviravolta, um suspender da respiração, um bater mais acelaradodo coração, próximo de lágrimas."(in "Psicanálise dos contos de fadas" de Bruno Bettelheim).

Este não é um livro para simplesmente nos divertir. Está cheio de apontamentos que conduzem a uma reflexão. Este é um livro que recomendo para aulas de filosofia do secundário. Alguns contos poderão facilmente servir de introdução a muitas das temáticas abordadas.

Diverte, leva à reflexão, mas NÃO são contos de fadas.

Saturday, June 06, 2020

Sete livros

Alguns amigos desafiaram-me a escolher 7 livros que marcaram a minha vida de leitora. Mas, como escolher apenas 7 livros? Levei alguns dias a pensar nesta escolha e optei por livros que marcaram a minha adolescência. São livros que de alguma forma, transformaram o meu olhar sobre o mundo e que permanecem nas minhas prateleiras. Todos os livros escolhidos foram objeto de releituras e voltaram a marcar-me, de formas diferentes e, por isso, continuam a ter um lugar muito especial no meu coração.

Sunday, January 05, 2020

Leituras de Férias


Estas férias de Natal trouxeram muito tempo para estar no sofá, embrulhada numa mantinha, a ler tranquilamente enquanto bebia litros de chá. Infelizmente eu e os meus filhotes adoecemos por isso, o Natal foi passado em casa, resguardados e tranquilos. Não conseguimos passear nem visitar a família, mas consegui descansar e ler alguns livros. Apeteceu-me reler o clássico de Charles Dickens: "Um conto de Natal" e como sempre, impressionou-me a sua atualidade, a escrita fluída e a forma como continua a emocionar-me. O meu filhote ofereceu-me a obra mais recente da Sandra Carvalho: "A noite do Caçador", que me transportou novamente para o mundo da Saga das Pedras Mágicas, apesar de não ser essa a sua intenção. A vencedora do Nobel da Literatura, Selma Lagerlof, cativou-me com a sua escrita mordaz numa história mirabolante:"O anel dos Lowenskolds". O livro de Peter Carey:"O Japão é um lugar estranho" foi um dos livros escolhidos pelo meu filho, para apresentar nas aulas de português e eu aproveitei para ler. Não apreciei a escrita do autor neste livro... houve algumas passagens interessantes como as referências a Osamu Tezuka, considerado o pai do Manga e as referências aos Estúdios Ghibli, e aos seus fundadores, Hayao Miyazaki e Isao Takahata. Obras incontornáveis como Totoro e Grave of the Firefly foram tema de grandes partes desta obra que, mesmo assim, não me cativou. Poderia ter terminado as férias com um sabor amargo mas valeu-me a boa disposição do Manga "Saints young Men" de Hikaru Nakamura, que relata a convivência de Jesus e Buda, que partilham um quarto em Tóquio nos nossos dias. Vemos os fundadores no Cristianismo e do Budismo, em situações normais do dia a dia e o relacionamento destes dois jovens é hilariante.  Se tiverem curiosidade em saber mais sobre este manga, visitem o Clubotaku. É por lá que vou recolhendo algumas sugestões de leituras.